Login    |   English Version
  pesquisar

MG > Michel Giacometti > Biografia

Michel Giacometti

Biografia

Galeria fotográfica

Dossier de imprensa

Biografia

Michel Giacometti nasceu em Ajaccio, na Córsega, em 1929. Desde cedo tomou contacto com outros países e culturas, nomeadamente do Norte de África, para onde foi viver com o tio, funcionário colonial, e onde partilhou o seu mundo de infância com crianças espanholas e árabes.

 

Em 1947, com 18 anos, já em Paris, realizou estudos de música e arte dramática. Em 1950, lançou vários projectos de revistas culturais e de poesia: Igloo, Ferments e Griffonnage. Criou uma companhia de teatro popular e participou em três estágios de arte dramática, organizados pelo Ministère de l’Education. Publicou ainda uma pequena brochura de versos, Mélika.

 

Estudou na Sorbonne, no curso de Letras e Etnografia, curso que interrompeu devido à sua participação na greve contra a discriminação dos árabes na vida pública de Argel, período durante o qual viajou pelo norte da Europa, tendo participado em cursos livres de etnografia na Noruega. Colaborou nas revistas Simoun e Cahiers du Sud e foi correspondente da Mission Française en Nouvelle Guinée.

 

Em 1956, organizou a Mission Méditerranée 56, recomendada pelo Musée des Arts et Traditions Populaires, que se propunha investigar as tradições populares de todas as ilhas mediterrânicas. Por razões de saúde, foi forçado a abandonar o projecto, regressando a Paris onde esteve hospitalizado. Neste período, tomou contacto com a música tradicional portuguesa. A leitura da obra do compositor e musicólogo Kurt Schindler, Folk Music and Poetry of Spain and Portugal, despertou-lhe o interesse e sensibilizou-o para a urgência de salvar o “ouro puro” das canções encontradas em Trás-os-Montes.

 

Michel Giacometti chegou a Portugal em finais de 1959 e decidiu iniciar o levantamento sistemático da música regional portuguesa. Os primeiros trabalhos no terreno foram realizados em Trás-os-Montes e, verificando a permanência dos espécimes musicais recolhidos por Schindler em 1931, apresentou um projecto de investigação etnomusicológica no nordeste transmontano à recentemente criada Comissão de Etnomusicologia da Fundação Calouste Gulbenkian, que lhe recusou o apoio. Na sequência, Giacometti criou os Arquivos Sonoros Portugueses (ASP), em finais de 1960, e convidou o compositor Fernando Lopes-Graça a colaborar no projecto. Numa carta, datada de 13 de Dezembro de 1960, dirigida ao compositor, Giacometti comunica-lhe que acabou de “fundar os Arquivos Sonoros Portugueses e de se ligar por contrato a organismos culturais estrangeiros que mostraram mais entusiasmo que a Fundação …”.

 

Os Arquivos Sonoros Portugueses constituíram-se como um meio estratégico para desenvolver o plano de investigação, que previa a recolha, o estudo e a divulgação da música tradicional portuguesa. Entre 1960 e 1983, os ASP publicaram várias colecções discográficas, num total de 24 discos, sendo de destacar a colecção da Antologia de Música Regional Portuguesa, aconselhada pelo International Institute for Comparative Music Studies and Documentation e pelo International Music Council.

 

Em 1962, Michel Giacometti foi autor do filme O Alar da Rede realizado por Manuel Ruas, com produção da Rádio Televisão Portuguesa e, entre 1963 a 1983, produziu uma série de programas radiofónicos para a Emissora Nacional, Radio France, BRT, WDR, Sveriges Riskradio sobre a música tradicional portuguesa e as suas funções.

 

Deu, também, grande importância à salvaguarda da literatura oral, tendo iniciado em 1965 a sua recolha sistemática, a par e passo com a recolha musical. Entre 1972 e 1980, fez parte da equipa de investigadores da Faculdade de Letras de Lisboa, Instituto de Geografia, integrado no projecto Linha de Acção de Recolha e Estudo da Literatura Popular.

 

Foi autor do programa televisivo Povo que Canta, transmitido entre 1970 e 1973, com a realização de Alfredo Tropa e produção da RTP. Estes trinta e sete programas bimensais constituem ainda hoje um dos mais importantes documentários realizados no âmbito da etnomusicologia portuguesa, e só foram possíveis pelo imenso trabalho de investigação levado a cabo no terreno pelo próprio Michel Giacometti.

 

Em 1975, dirigiu o Plano de Trabalho e Cultura, Recuperar a cultura popular portuguesa, objectivo para estudantes do Serviço Cívico, com a colaboração dos professores Jorge Gaspar, Machado Guerreiro e Manuel Viegas Guerreiro. Integrado no Serviço Cívico Estudantil, este projecto contou com o apoio de entidades oficiais e particulares, como o Ministério da Comunicação Social, INATEL, FAOJ, Câmaras Municipais, Juntas Distritais e Fundação Calouste Gulbenkian. A colaboração voluntária de jovens universitários, intensificou a recolha de norte a sul do país, tendo resultado no levantamento de inúmeros documentos de literatura oral, inquéritos sobre as condições de vida, de saúde e higiene públicas, colheram-se fórmulas medicinais populares e cautelas supersticiosas, músicas, além da recolha de alfaias agrícolas.

 

Em 1975, enquanto membro da Comissão de reorganização da FNAT/Inatel, apresentou o projecto “Centro de Documentação Operário–Camponesa” (CDOC), que, além da reformulação da estrutura existente, propunha uma nova filosofia de acção cultural. Em associação com o Plano Trabalho e Cultura, todos os materiais resultantes das campanhas nacionais do Serviço Cívico Estudantil e toda a documentação produzida foram entregues ao CDOC e, mais tarde, transferidos para o Museu do Trabalho em Setúbal.

 

Em 1981, editou com Fernando Lopes-Graça e através do Círculo de Leitores o Cancioneiro Popular Português, importante colectânea de canções e músicas instrumentais, que procura mostrar a multiplicidade dos géneros e estruturas musicais, na diversidade das características regionais.

 

A década de oitenta ficou, ainda, marcada pela preocupação de Giacometti em encontrar uma instituição que acolhesse todo o seu acervo. Em 1981, vendeu a colecção de instrumentos musicais e de objectos etnográficos à Câmara Municipal de Cascais, que fundou o Museu da Música Portuguesa. Em 1984, vendeu o arquivo sonoro à Secretaria de Estado da Cultura, encontrando-se, hoje, todo este acervo sonoro no Museu Nacional de Etnologia, em Lisboa.

 

Durante todo este tempo, Giacometti manteve a investigação de campo, que continuou até ao fim da sua vida. Em Agosto de 1990, numa campanha em Peroguarda, o trabalho do etnomusicólogo foi acompanhado pelo jornalista Adelino Gomes, que fez a última reportagem sobre o seu trabalho. Giacometti dizia que a “primeira qualidade que um etnomusicólogo precisa de ter é o amor ao trabalho e o amor sincero ao povo”. É talvez a melhor síntese do perfil deste investigador, e que ajuda a entender a sua grande dedicação à defesa da cultura tradicional portuguesa. Fernando Lopes-Graça dedicou-lhe a obra “À memória de Michel Giacometti, por tudo o que o povo português e a sua bela música tradicional lhe ficaram devendo”.

 

O etnomusicólogo veio a falecer em Novembro desse mesmo ano, tendo sido enterrado em Peroguarda a seu pedido.